Para uma melhor experiência por favor altere o seu navegador google CHROME, o FIREFOX, o OPERA ou o Internet Explorer.
Quem é o clássico japonês mais popular que Ferrari e Lamborghini no Google

Quem é o clássico japonês mais popular que Ferrari e Lamborghini no Google

O Nissan Skyline GT-R foi o clássico mais procurado no Google em 2021, com 8.207.000 buscas na plataforma. Lamborghini Countach e Ferrari F40 aparecem na sequência somando, respectivamente, 4.827.000 e 4.081.000 buscas.

Completam o ranking dos dez mais populares no Google Datsun 240Z (2.394.000 buscas), Jaguar E-Type (1.896.000), Ferrari 250 GTO (1.545.000), Lamborghini Miura (1.461.000), Lancia Stratos (1.117.000), AC Cobra (910.500) e Plymouth Superbird (642.000).

Quem levantou tais dados foi o Confused, um site de comparação de carros que, entre outros serviços, oferece apólices de seguro para veículos antigos. Neste estudo, emparelhou 200 clássicos sob as perspectivas de valorização, raridade e popularidade a fim de apresentar o modelo mais relevante a partir de critérios tangíveis.

Conjugando os três fatores quem está no topo é o Lamborghini Miura, com nota 8,58, que além de mais raro (764 unidades produzidas ante 1,268 do Skyline) valorizou 100% nos últimos três anos, saltando de US$ 925 mil em maio de 2019 para atuais US$ 1,85 milhões.

No mesmo período, o Nissan foi de US$ 90 mil para US$ 115 mil, valorizando 27,8%. Daí a nota 6,69 e a última posição no ranking – que entre o Miura e o Skyline GT-R abarca Ferrari F40 (nota 8,51), Ferrari 250 GTO (7,89), AC Cobra (7,42), Lamborghini Countach (7,42), Datsun 240Z (7,2), Bugatti EB 110 (7,02), Lancia Stratos (7,02), Plymouth Superbird (6,98) e Jaguar E-Type (6,69).

“Carros clássicos estão se tornando uma compra cada vez mais popular entre os entusiastas e investidores, com o preço dos modelos raros aumentando mais rapidamente do que o preço do ouro. Isso significa que investir em um clássico não pode ser apenas uma compra dos sonhos para os fanáticos por carros, mas também tem o potencial de ser um investimento lucrativo para compradores inteligentes”, explana Alex Kindred, especialista em seguros de automóveis da Confused.

Godzilla

Skyline foi um nome emprestado da Prince, antiga fabricante japonesa que se fundiu com a Nissan em 1966. Apresentado no Salão de Tóquio de 1968 e produzido a partir de fevereiro do ano seguinte, parecia um pacato sedã.

(Imagem: divulgação)

Contudo, seu motor 2.0 de seis cilindros em linha e 160 cv, acoplado a um câmbio manual de cinco marchas que direcionava a potência para as rodas traseiras, o fez vencedor em sua corrida de estreia três meses após deixar a linha de produção. Começava ali a construção da aura que envolve o Skyline GT-R – que em 1970 estreava a carroceria de duas portas, encurtando seu entre-eixos em 7 centímetros e reduzindo seu peso de 1.120 para 1.100 kg.

(Imagem: divulgação)

A segunda geração estreou em 1973, mas colidiu com a crise do petróleo, que inibia a demanda por carros esportivos. Por isso, apenas 197 exemplares dessa fase foram construídos entre janeiro e abril daquele ano. Era o fim do Skyline GT-R.

(Imagem: divulgação)

Eis que em agosto de 1989 a Nissan retoma a produção do modelo, agora conhecido pelo codinome R32. Equipado com um 2.6 seis-cilindros biturbo, de 280 cv e 36 kgfm de torque) e tração integral, foi aclamado tanto pela crítica especializada quanto pelo público. Nas pistas, venceu 29 corridas e quatro títulos do Japan Touring Car Championship, entre 1990 e 1993. Vitorioso também no Australian Touring Car Championship, com dois títulos, o Skyline GT-R ganhou então da mídia local o apelido de “Godzilla”, o famoso monstro fictício do Japão.

(Imagem: divulgação)

Com entre-eixos maior, mesma potência e um pouco mais de torque (37,5 kgfm), o Skyline GT-R R33 surgiu no começo de 1995.

(Imagem: divulgação)

O mais famoso dos GT-R – e o último a usar o nome Skyline – é o R34, de 1998. Isso porque fora o carro do policial Brian O’Conner (Paul Walker) em Velozes e Furiosos 2. Manteve o motor, mas agora com 40 kgfm de torque. No interior, o destaque era a tela em LCD de 5,8 polegadas servindo o motorista com informações do desempenho do veículo.

(Imagem: divulgação)

A sexta encarnação, R35, foi revelada no Salão de Tóquio de 2007.

(Imagem: divulgação)
The following two tabs change content below.

Rodrigo Mora

Rodrigo Mora é jornalista especializado no segmento automotivo, com passagens por Programa Auto+, iG, G1 e Folha de S. Paulo. Corre o mundo atrás dos lançamentos, o que já o levou a testar carros no gelo da Islândia e no deserto do Marrocos. No blog do VC, escreve sobre a tendência dos modelos populares, a convivência com os híbridos e elétricos e, claro, a história dos clássicos.
deixe seu comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

onze + seis =

Topo
Cookies: a gente guarda estatísticas de visitas para melhorar sua experiência de navegação. Ao continuar, você concorda com nossa política de privacidade e com o Termo de consentimento para armazenamento e tratamento de dados pessoais em conformidade com a LGPD.
Concordar e Fechar
Não Concordo
Politica de Privacidade